alergias alimentares alergias alimentares

As principais alergias alimentares e como identificá-las

6 minutos para ler

Será que aquele mal estar sentido após a ingestão de um alimento pode significar algo sério? Em alguns casos, as alergias alimentares chegam a colocar a vida da pessoa em risco, já que um dos sintomas mais preocupantes se dá na anafilaxia — ou seja, a dificuldade de respirar.

Crianças devem receber uma atenção ainda maior quanto a isso, por serem mais sensíveis e propensas a apresentarem essa condição. Dependendo do organismo e da intensidade da alergia, até mesmo pequenos vestígios de determinada substância provocam reações fortes.

Sendo assim, é importante saber identificar os principais sintomas, além de entender como lidar com eles, ao surgirem.

Continue na leitura e entenda melhor sobre esse tema tão sério!

O que são alergias alimentares?

A alergia alimentar é uma reação a determinado alimento, envolvendo o nosso sistema imunológico. Isso significa que o organismo percebe a substância como uma intrusa e passa a atacá-la, com a produção de anticorpos.

Toda essa batalha entre o elemento “inimigo” e os anticorpos resulta em algumas reações, que se manifestam em algum órgão interno ou na pele. São os sintomas característicos da alergia.

Mas antes de mencioná-los, é importante você saber que existe uma diferença entre alergia e intolerância alimentar. Nesta última não há manifestação do sistema imunológico, apenas uma desordem metabólica.

De forma resumida, o corpo não tem enzimas suficientes para fazer a digestão do alimento. Como há dificuldade em digeri-lo, geralmente os sintomas se manifestam no intestino ou estômago, como gases e dor de barriga.

Como identificar as alergias alimentares?

Os sinais de uma alergia alimentar são um pouco diferentes. Além do mais, na intolerância, eles costumam demorar um pouco para aparecer, já que é preciso esperar a digestão da substância.

Na alergia, eles são quase imediatos, na maioria dos casos. Confira alguns dos sintomas:

  • dor abdominal;
  • vômitos;
  • tosse persistente e ininterrupta;
  • falta de ar;
  • inchaço, principalmente na face;
  • descamação, bolhas ou coceira na pele;
  • dificuldade para engolir;
  • tontura e desmaio;
  • corrimento nasal;
  • cólicas estomacais;
  • irritação na garganta.

Quando ocorre a anafilaxia, todas essas manifestações podem surgir de forma intensa, seguidos de queda na pressão arterial, arritmias cardíacas e colapso vascular. Assim, isso exige socorro médico imediato, para evitar risco de vida.

Quais são as principais alergias alimentares?

Basicamente, qualquer alimento pode desencadear um processo alérgico, mas existem aqueles mais comuns, como os seguintes:

  • leite de vaca (lactose);
  • ovo;
  • amendoim;
  • gergelim;
  • tomate;
  • frutos do mar;
  • trigo (glúten);
  • soja;
  • castanhas. 

Tem como diagnosticar alergias alimentares?

Para o diagnóstico, é necessário uma consulta com um profissional, que pode ser um alergista, um gastroenterologista ou um clínico geral. Não há um teste específico para detectar a alergia, mas é possível identificá-la a partir do relato dos sintomas e da apuração de alguns exames ou práticas, como os seguintes.

Dosagem específica (igE)

A partir do sangue coletado, o laboratório verifica se há produção de anticorpos, no contato com as substâncias. Porém, nem sempre detecta com precisão. É possível, por exemplo, que o paciente tenha alergia e, ainda assim, não haja reação da imunoglobulina.

Retirada do alimento

É um dos mais comuns por causa de sua simplicidade, principalmente ao lidar com crianças. Basta retirar o alimento da rotina por um tempo e observar a reação do organismo. Se os sintomas cessarem, é possível que seja alergia.

Testes cutâneos

Também chamado de “prick test”, é capaz de detectar, na pele, a sensibilidade para a substância. Porém, assim como o de sangue, só identifica a presença da imunoglobulina. Dessa forma, a recomendação é que não seja feito isoladamente.

Endoscopia e biópsia

Esse exame pode ser útil para avaliar aquelas pessoas com manifestações que os exames de sangue e cutâneo não conseguiram pegar.

O que falar na consulta com o médico?

Caso você perceba algum sinal logo após a ingestão de determinado alimento, procure um médico. Ele é capaz de dizer como lidar melhor com essa situação. Na consulta, é possível que ele pergunte:

  • a lista de todos os sintomas, com detalhes;
  • há quantos dias, meses ou anos eles começaram;
  • quantas vezes você ingere determinado alimento;
  • se há histórico na família de outra pessoa com os mesmos sintomas;
  • se você é diagnosticado com outra condição médica, como gastrite.

A partir do relato, ele decide se fará algum exame ou se indicará você a outro especialista.

Como conviver com a alergia alimentar?

Algumas alergias alimentares que se iniciam na infância cessam ao longo dos anos, permitindo que a pessoa ingira o alimento normalmente. No entanto, enquanto a condição estiver presente, será necessário aprender a evitar essa substância, mesmo que de forma indireta. Por exemplo, se você tiver alergia a glúten, deve evitar pão feito com trigo.

Assim, recomendamos adquirir o hábito de ler todos os rótulos antes de experimentar algum alimento diferente. As embalagens costumam apresentar os ingredientes usados na fabricação. 

Vale lembrar que é habitual para quem convive com essa condição ter de procurar formas de lidar com situações que seriam comuns para outras pessoas. Por exemplo, imagine fazer uma festa de aniversário para uma criança com alergia à lactose!

Ela não pode comer brigadeiro. Além disso, o bolo e os salgados precisam ser feitos com uma receita especial, sem leite. A sorte é que hoje existem diversas opções de receitas fáceis de serem encontradas pela internet.

Dependendo da intensidade dos sintomas, os especialistas aconselham a evitar refeições em restaurantes, já que é bastante difícil controlar o procedimento na hora do preparo. Uma faca usada para cortar determinado alimento, por exemplo, se não lavada, pode contaminar outros. Em situações inevitáveis, leve sempre com você o remédio receitado pelo médico. 

Mais uma sugestão que damos é acompanhar as notícias e novidades relacionadas ao tema. Podcasts estão na moda e lembram bastante o rádio. A diferença é que podemos escutar no horário que for melhor, pelo celular mesmo. Algumas ideias são:

Ter alergias alimentares pode até ser um pouco chato. No entanto, é possível se adaptar a uma rotina e adquirir hábitos para um melhor bem-estar. Leve a sério sua saúde e, na presença de qualquer sinal, não deixe de procurar um especialista.

Gostou do artigo? Que tal assinar nossa newsletter e receber, diretamente no seu e-mail, conteúdos relacionados a cuidados e bem-estar, para você levar uma vida mais saudável?

Posts relacionados

Deixe um comentário