exames ginecológicos exames ginecológicos

Os exames ginecológicos de rotina que toda mulher precisa fazer

6 minutos para ler

Ter um cuidado preventivo é a melhor maneira de manter a saúde em dia. Logo, visitar um ginecologista com regularidade deve fazer parte da vida de todas as mulheres após a primeira menstruação. A realização de exames ginecológicos de rotina pode ajudar a identificar precocemente várias doenças relacionadas à saúde feminina, como câncer de mama e de colo do útero.

Muitas mulheres costumam adiar a ida ao médico por causa dos tipos de exames requisitados — que podem provocar algum desconforto em certas situações. No entanto, é fundamental saber que esses procedimentos ajudam a identificar possíveis tumores, cistos, alterações hormonais e DSTs.

Neste post, mostraremos qual é a importância dos exames ginecológicos de rotina e quais são os principais. Confira!

A importância dos exames ginecológicos de rotina

É muito importante que a mulher se cuide e se proteja, mesmo que não esteja tendo nenhum sintoma. Assim, os exames de rotina são obrigatórios para investigar diferentes doenças que podem surgir, desde a endometriose até o câncer de colo de útero.

O ideal é realizar os exames pelo menos 1 vez ao ano, mas a periodicidade deve ser analisada de maneira individual, levando em conta o histórico da paciente e os seus fatores de risco.

A partir da primeira menstruação a ida ao ginecologista é indicada para iniciar os cuidados com a saúde feminina. Eles precisam ser intensificados com o início da vida sexual, sendo importante o aconselhamento quanto aos métodos contraceptivos e maneiras de prevenir as DSTs.

Como falamos, os exames ginecológicos de rotina agem de maneira efetiva na prevenção de várias doenças. Assim, quanto mais cedo a mulher iniciar os cuidados, melhor será a sua qualidade de vida.

Conheça os principais exames

Existem diversos exames que devem ser feitos com o intuito de prevenir e diagnosticar doenças. Confira, a seguir, quais são os principais.

Papanicolau

O papanicolau, também conhecido como colpocitologia, é um exame que tem por objetivo analisar as células da região do colo do útero para a identificação de câncer, doenças sexualmente transmissíveis e infecções vaginais. Uma espátula especial é utilizada para coletar o material do colo uterino da mulher, que deve ser analisado em um laboratório.

Esse diagnóstico precisa ser feito todos os anos por mulheres que já iniciaram a vida sexual e quem tem mais de 21 anos de idade. Se os resultados se mantiverem normais durante 3 anos, o exame pode passar a ser feito de 2 em 2 anos.

Mamografia

A mamografia é um exame padrão para a avaliação das mamas, realizado com um aparelho de raio X conhecido como mamógrafo, que permite a visualização das axilas e glândulas mamárias de vários ângulos. O procedimento é indicado para identificar precocemente o câncer de mama ou buscar lesões mínimas e alterações denominadas microcalcificações.

O exame deve começar a ser feito anualmente a partir dos 40 anos. Entretanto, para as mulheres que apresentam casos de câncer de mama na família, o ideal é que a mamografia seja feita antes mesmo dos 35 anos.

Ultrassom pélvico

O ultrassom pélvico é um exame que avalia o sistema reprodutor, como ovários, endométrio e útero, sendo um procedimento mais simples e menos invasivo. O exame utiliza a propagação de ondas sonoras pelos tecidos para estudar os órgãos da pelve e possíveis doenças.

Na maior parte dos casos, doenças benignas podem ser identificadas, como cistos, pólipos e miomas. No entanto, também é possível reconhecer problemas em fase inicial, o que aumenta a probabilidade de cura. O procedimento também identifica gravidez nas trompas ou fora da cavidade do útero.

Para realizar o exame, a paciente fica deitada, e o gel é espalhado no ventre inferior. Depois, uma sonda de ultrassom é aplicada na pele. O exame dura cerca de 20 minutos e o radiologista envia o relatório diretamente ao médico assistente.

Colposcopia

A colposcopia é um exame que auxilia na detecção de lesões na vagina e colo do útero com a ajuda um colposcópio. Esse aparelho funciona como uma lente de aumento que consegue identificar esses problemas que não são visíveis a olho nu. O método é complementar ao papanicolau e é solicitado quando o ginecologista precisa de mais detalhes na avaliação.

Além disso, biópsias podem ser feitas no momento da realização do exame, caso alguma lesão seja identificada. Assim, o médico fará a remoção de uma amostra do tecido do colo uterino ou da parede vaginal. A colposcopia é indicada para detectar a presença de irregularidades e infecções no útero, em mulheres com mais de 20 anos e com a vida sexual ativa.

Vulvoscopia

A vulvoscopia é um exame que avalia as mucosas, pele e estruturas da vulva. O procedimento também é complementar ao papanicolau e tem por objetivo diagnosticar e prevenir lesões na vulva, com o foco principal nas lesões precursoras do câncer vulvar. De maneira parecida ao que ocorre no colo do útero, na vulva também é possível diagnosticar problemas em suas fases iniciais.

Em geral, a vulvoscopia é feita em conjunto com a colposcopia. Além disso, esse é um exame que é solicitado pelo ginecologista quando ele vê alguma alteração na região do períneo ou da vulva durante o exame ginecológico.

Ultrassom transvaginal

Este procedimento é considerado um complemento ao ultrassom pélvico. O exame permite um contato melhor, já que o fundo da vagina fica próximo dos órgãos genitais internos, possibilitando avaliá-los com uma precisão maior, o que não ocorre com o ultrassom pélvico.

O exame é recomendado para detectar alguma doença na região pélvica, como tumor de ovário, mioma, pólipo endometrial e endometriose. O procedimento deve ser realizado todos os anos, mas pode ser indicado em intervalos menores, quando é preciso acompanhar as estruturas anormais que foram identificadas anteriormente.

Como vimos, existem diversos exames ginecológicos de rotina que devem ser feitos com o intuito de prevenir ou diagnosticar algumas doenças. Por isso, lembre-se de realizar esses procedimentos todos os anos e marque uma consulta regularmente com um ginecologista para que você possa ter um acompanhamento melhor.

Gostou deste conteúdo e quer ficar por dentro das publicações? Então, siga a Vai Bem nas redes sociais. Estamos no Facebook e Instagram!

Posts relacionados

Deixe um comentário